Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Eleições em Portugal mas pouco europeias…

por Nuno Vaz da Silva, em 22.05.14

Aproxima-se a data das eleições europeias e começa a ser efectuado o balanço de mais uma campanha eleitoral repleta de acusações mas com reduzida discussão de argumentos sobre o futuro da Europa.

 

Esta não é uma realidade nova neste tipo de eleições. À falta de temas europeus cativantes para o eleitorado, os partidos recorrem a assuntos nacionais para aquecerem o tom dos discursos e roubarem o máximo número de votos à abstenção que se espera elevada. Esta estratégia, apesar de habitual, é profundamente errada por significar mais uma oportunidade perdida de discutir o presente e o futuro da Europa.

 

Não será de estranhar que os eleitores se questionem sobre a relevância deste acto eleitoral mas a verdade é que é bastante importante. Não só a maioria das decisões europeias têm primazia sobre a legislação nacional como a capacidade de influência dos deputados junto dos seus pares é determinante para o futuro de Portugal enquanto membro de pleno direito da União Europeia.

 

Ainda assim gostaria de destacar alguns aspectos interessantes deste período eleitoral:

 

1- A Petição “Nunca Mais”, cujo primeiro subscritor é o Professor Nogueira Leite e que pode ser encontrada aqui:

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=NuncaMais

 

2- Algumas propostas irrealistas como por exemplo a criação de um fundo que consolide as dívidas das famílias (proposta do PPM)

 

3- O reduzido empolgamento de Paulo Rangel, ao contrário daquilo que nos habituou em actos eleitorais anteriores

 

4- A ironia de alguns cartazes como a falsa selfie do PS

5- A argumentação de Marcelo Rebelo de Sousa, apelando no voto PSD/CDS como sendo um voto em Jean-Claude Juncker

6- Os tempos de antena verdadeiramente deprimentes e pouco esclarecedores

 

Quando uma campanha não tem relevância pelos argumentos mas sim pelos factos políticos, alguma coisa está errada. Ou os actores não querem discutir o tema; ou o tema é pouco discutível; ou então o eleitor não está interessado para essas questões. Seja uma das hipóteses, um misto das três ou outra qualquer, a verdade é que infelizmente estas eleições terão mais impacto em Portugal do que na Europa. Senão vejamos:

 

- A coligação governamental terá um mau resultado ou, pelo contrário, a diferença de votos face ao PS será pequena?

 

- António José Seguro afirma-se como candidato a Primeiro-ministro ou continuará a ser um líder interino?

 

- Os votos na coligação sustentarão o Governo ou provocarão uma mini remodelação?

 

Fica contudo por esclarecer o mais importante. Qual o projecto de Europa defendido pelos candidatos a deputados?

 

Afinal de contas, para isso é que existem eleições europeias!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:51


A demagogia de Seguro

por Nuno Vaz da Silva, em 12.02.14

António José Seguro é um líder cada vez mais demagógico. A sua crescente mediatização, aparentemente apoiada pela generalidade da comunicação social, baseia-se em contra medidas e contra propostas que são pouco credíveis. As lutas internas do PS, muitas delas na sombra, e a aproximação de duas datas importantes para as suas aspirações (resultado das eleições europeias e o final do período de assistência internacional) implicaram uma alteração da postura política do principal líder da oposição.

 

António José Seguro está a fazer uma aproximação crescente e perigosa ao populismo. Em vez de apresentar propostas concretas para melhorar o bem-estar social dos portugueses, limita-se a contrariar as medidas do Governo, num facilitismo de acção politica que afecta a sua própria credibilidade como Estadista. Foi assim com os feriados, tendo o PS garantido que os repunha como estavam e com o fecho dos tribunais em que o líder da oposição se limitou a apresentar proposta contrária à decisão do Governo.

 

Diz-se muitas vezes que o país não anda para a frente ou, nos meios mais rurais, “que não sai da cepa torta”. Com este tipo de postura partidária, de uma demagogia atroz sem conteúdo ou argumentação, é normal que continuemos no limbo por mais uns anos. Não é crime repor uma medida errada mas o discurso de Seguro faz lembrar uma espécie de regresso ao passado num conservadorismo difícil de identificar com o Partido Socialista. Para além disso, se um Governo faz algo e o seguinte desfaz, não há orçamento do Estado que aguente tanta mudança.

 

Seguro está desesperado e inseguro! O PS não consegue criar uma onda de mudança na sociedade porque o Governo, ao que tudo indica, não necessitará de novo programa estrutural de assistência, porque as eleições europeias parecem menos favoráveis do que inicialmente seria de prever ao PS e, sobretudo, porque os candidatos a líder do PS estão em movimentações, prontos para aparecer em caso de qualquer falha de Seguro, o que provocará certamente algum nervosismo ao actual líder!

 

Das duas uma: ou Seguro está ciente que não chegará a Primeiro-ministro e opta agora por fazer o trabalho de campo de animal político populista para lançar um efectivo líder no PS com postura de Estado; ou então, Seguro caiu em desespero e, sem argumentos construtivos, decidiu radicalizar a sua acção, numa aproximação à esquerda mais radical que pode provocar uma eventual coligação pós eleitoral mas que lhe roubará muitos votos do centro!

 

As opções políticas pagam-se caro ou dão muitos dividendos. Independentemente da relação custo/benefício para Seguro, o país necessita, a bem da construção democrática, de um líder da oposição com argumentos sólidos. A actual postura de líder populista, frágil e cansado de manter as suas tropas mobilizadas com constantes ameaças de golpes de estado partidários, não serve os interesses da oposição nem é útil ao futuro do país!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:13


Uma parada agitada, de S. Bento ao Rato

por Helena Freitas, em 11.02.13

 

1. O Governo reserva o fim de semana para decidir os cortes de 4 mil milhões sem passar “Cavaco às tropas”. Não é preciso, porque no final da reunião, em espírito de Carnaval, será anunciada uma decisão fabricada em Bruxelas/Berlim e montada num Conselho de Ministros em Lisboa, e distraidamente feita pelo Rei da parada: Marques Mendes

 

2. António Costa reúne-se com António José Seguro para prepararem o grande documento que todos aguardamos: "Base Comum de Orientação Estratégica". Um documento dito estratégico e enriquecido pelos contributos de um candidato que as sondagens querem, mas que ele próprio não sabe se quer ser, mas que aos olhos do cidadão comum se revela como uma espécie de contrato pré-nupcial, capaz de assegurar os interesses materiais das facções envolvidas. E o pior é que o candidato que foi, mas já não sabe se é, se foi colocando refém de uma lamentável teia de interesses que os portugueses repudiam, desperdiçando um capital político de importância vital para reconquistar a Câmara de Lisboa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:03




Últ. comentários

  • silva

    A TRÍADE SALOIA Casino Estoril Sol IIINo caso da ...

  • silva

    A TRÍADE SALOIA Casino Estoril Sol IIINo caso da ...

  • silva

    A TRÍADE SALOIA Casino Estoril Sol IIINo caso da ...

  • silva

    A TRÍADE SALOIA Casino Estoril Sol IIINo caso da ...

  • silva

    A TRÍADE SALOIA Casino Estoril Sol IIINo caso da ...